12 fatos sobre Fidel que mudarão a impressão que você tem dele

6 39
[divider style="solid" top="0" bottom="10"]

Um herói, um demônio ou simplesmente alguém que viveu o conturbado século XX até as últimas consequências? Conheça 12 fatos sobre essa figura histórica para tirar suas próprias conclusões.

Na última sexta, no dia 25 de novembro de 2016, faleceu o comandante Fidel Castro. Como principal líder da Revolução Cubana e como dirigente praticamente vitalício de Cuba, trazendo avanços sociais inegáveis para este país, mas a custo do cerceamento da democracia, da perseguição política e do isolamento da ilha cubana (esta parte mais por culpa dos inimigos), Fidel se tornou um personagem histórico e controverso, que inspira o amor ou o ódio de muita gente, e de acordo com suas convicções (e conveniências) políticas.

Afinal, o que Castro de fato representava? Era de fato um revolucionário ou apenas uma pessoa que almejava o poder? Era um real socialista ou um hipócrita que usava relógios Rolex, vestia Adidas e possuía milhões na conta bancária? Ou será que os maiores hipócritas dessa história são os seus críticos, que lembram dos Direitos Humanos e dos direitos LGBT apenas quando se trata de Cuba, enquanto apóiam a Ditadura Civil-Militar e tipos como Bolsonaro em seu próprio país?

Não é meu objetivo aqui julgar a pessoa Fidel Castro, mas apenas mostrar alguns fatos sobre ele.  Caberá ao leitor  tirar suas próprias conclusões.

[ads2]

 

[divider style="dotted" top="10" bottom="10"]

[tie_slideshow]

[tie_slide]

Cuba possui um histórico de dominação que marcou profundamente sua população. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, o ímpeto revolucionário do povo cubano já existia bem antes do Fidel vir ao mundo. O poeta, jornalista e filósofo cubano José Martí, criador do Partido Revolucionário Cubano, já idealizava no século XIX uma Cuba livre de qualquer dominação, um ideal pelo qual morreu num confronto contra uma tropa de soldados espanhóis, tornando-se um mártir para o povo cubano.

O mártir cubano José Martí.

A tão sonhada independência de Cuba da Coroa Espanhola veio um pouco depois com a ajuda dos EUA, porém estes, na prática, apenas tomaram o lugar de dominantes que outrora pertencia à Espanha. Por meio da imposição da Emenda Platt, um apêndice na recém-elaborada constituição cubana, os EUA tinham o direito de interferir diretamente na política de Cuba. Tal ingerência norte-americana nos assuntos internos da ilha acabou fortalecendo ainda mais o sentimento anti-imperialista do povo cubano.

Sob o domínio norte-americano, Cuba acabou se tornando praticamente um prostíbulo e centro de jogatina dos EUA. Sua capital, Havana, foi transformada num “parque de diversões” reluzente (mas só para os gringos), enquanto o país inteiro afundava na pobreza e na miséria, sob a ditadura de Fulgêncio Batista, a qual era totalmente subserviente aos interesses de Washington. É nesse contexto de revolta popular contra essa situação humilhante de Cuba perante os EUA que Fidel Castro torna-se líder de uma guerrilha que engatilhou um exitoso processo revolucionário. Fulgêncio Batista, encurralado, fugiu para os EUA e, em 1 de janeiro de 1959, os revolucionários do movimento 26 de julho (M-26-7) desfilaram vitoriosos no centro de Havana, dando assim início a um projeto nacionalista e, pouco tempo depois, inspirando-se no socialismo soviético (já que era impossível ter os EUA como aliado, restando a Cuba se alinhar à URSS, numa tentativa de usar o contexto da Guerra Fria a seu favor).

Fidel se entregou de corpo e alma na luta contra ditaduras não só em Cuba, chegando a participar de guerrilhas na República Dominicana e na Colômbia. No seu país foi capturado e preso, ocasião em que escreveu o seu livro A História me Absolverá. Em seu exílio no México, formou o movimento 26 de julho com seu irmão Raul Castro e o guerrilheiro Che Guevara, logo depois voltou para Cuba, confrontando a polícia e o exército de Batista. Certamente muitas críticas contra Fidel procedem, porém sua coragem e determinação como combatente é inegável, e é uma de suas características que o fez ser tão admirado (e odiado) no mundo todo.
[/tie_slide]

[tie_slide]

Em 05 de maio de 2016, a revista norte-americana Forbes, mais conhecida pelas listas que faz sobre as pessoas mais ricas do planeta, incluiu Fidel Castro numa de suas listas, chamada “Fortuna de Reis, Rainhas e Ditadores”. Segundo a Forbes, Fidel teria uma fortuna em torno de 900 milhões de dólares. Tal cifra milionária foi estimada usando como base um porcentual do valor total das estatais cubanas. A revista também alegou que Fidel teria uma conta na Suíça, porém sem nada provar. A acusação é bem estranha, para não dizer desonesta, pois seria o mesmo dizer que, no caso dos EUA, o carro presidencial, o avião presidencial e a Casa Branca, são propriedades particulares de Barack Obama. E não foi a única vez que a imprensa americana “confundiu” patrimônio público em estatais com bens de “ditadores”.  Ela fez exatamente o mesmo com Muammar al-Gaddafi, não por acaso outro governante considerado inimigo de Estado pelos EUA, mostrando que parte de sua imprensa tem como função difamar governantes que representam um entrave para os interesses de Washington.

Acusações sobre uma vida luxuosa de Fidel também vieram de pessoas que diziam ser próximas dele. Histórias sobre uma suposta mansão nababesca do comandante começaram a surgir, entre elas uma versão que dizia ter na mansão um aquário com golfinhos e tartarugas marinhas! Como eram todos cubanos exilados nos EUA, fica a dúvida se realmente falavam a verdade ou se eram motivados por um desejo de vingança ou mesmo se estavam sob orientações do governo americano. Nada disso foi comprovado, mostrando que as acusações foram mais politicamente motivadas do que um real relato.

Fidel Castro em sua casa, localizada num subúrbio de Havana, e tendo como visita o presidente francês François Hollande. 

Também não coloco minha mão no fogo por Fidel, porém as acusações que recebeu sobre ser podre de rico são toscas, chegam a ser caricatas. Imagine um aquário com golfinhos e tartarugas marinhas: isso necessitaria de uma grande estrutura e cuja manutenção exigiria o envolvimento de vários profissionais, inclusive de biólogos especializados na fauna oceânica, o que tornaria esse entretenimento do Fidel algo impossível de ser escondido, ainda mais pelo fato dele ter sido incessantemente espionado pela CIA. Se fosse verdade, certamente surgiria inúmeras fotos ou outro tipo de prova denunciando a vida faustosa de Fidel às custas do povo cubano. De qualquer forma, se Fidel realmente levava uma vida de magnata, isso virá à tona mais cedo ou mais tarde. Talvez, por conta da sua morte, mais cedo do que se imagina. Aguardemos.
[/tie_slide]

[tie_slide]

As fotos que mostram Fidel com Rolex são de uma época que esses relógios ainda não eram considerados artigos de luxo. É de uma época em que as pessoas compravam esses relógios pensando mais em sua qualidade, durabilidade e custo-benefício.

Fidel em reunião com dirigentes da União Soviética em 27 de abril de 1963, usando 2 relógios Rolex: um para o horário de Havana, outro para o horário de Moscou.

Isso mesmo, houve um tempo não muito distante que os relógios Rolex não possuíam um preço proibitivo para os simples mortais, como os assalariados. Era caro, sem dúvida, mas era acessível ao trabalhador que se impunha uma disciplina financeira para poder comprá-lo. Foi o caso do meu avô paterno, um simples ferroviário. Seu modesto padrão de vida não o impediu de adquirir um Rolex com o salário que ganhava na época.

Os relógios Rolex se tornaram artigo de luxo com a chegada dos relógios de quartzo nos anos 60. Como era impossível concorrer com os relógios das marcas japonesas Casio e Seiko, a Rolex apelou para uma jogada de marketing, com a qual dizia que seus relógios significavam tradição e exclusividade, inflacionando seu preço. Com a chegada do neoliberalismo, o Rolex se consolidou definitivamente como um símbolo de status, que coroa os vencedores da economia de mercado desregulada, de um mundo onde o darwinismo social, ou a lei da selva (ou do capital?), é a regra.

[/tie_slide]

[tie_slide]

Desde 2006, quando Fidel deixou o poder em Cuba, ele adotou um novo estilo para se vestir, deixando de lado o seu típico uniforme de comandante militar, para vestir um uniforme mais informal e esportivo, de uma marca que não representava em nada o ideal revolucionário cubano, pelo contrário, simbolizava o sistema que esse ideal repudiava: a corporação capitalista Adidas.

Na verdade, o regime cubano tinha um posicionamento pragmático em relação ao capitalismo. Não estando em situação de poder escolher, ainda mais por conta do embargo econômico imposto pelos EUA, o regime cubano aceitou fazer parcerias com empresas dispostas a patrocinar o esporte cubano, que foi o caso da empresa alemã Adidas. Esta vestiu todos os esportistas cubanos até 2012 e, pelo visto, também presenteou o Fidel com alguns uniformes de sua linha esportiva:

[box type=”shadow” align=”alignleft” class=”” width=””]

Katja Schreiber, diretora de comunicação  da Adidas

“A razão pela qual ele foi retratado usando produtos da Adidas no passado é muito simples: até 2012, Adidas era a parceira oficial do Comitê Olímpico Nacional de Cuba, vestindo todos os membros da Equipe Olímpica Cubana com roupas tanto para competição como para treinamento por muitos anos. Parece que Fidel usou produtos desta coleção em várias ocasiões.”[/box]

Até mesmo o conservador jornal brasileiro O Globo reconheceu esse fato, que você pode conferir aqui.

[/tie_slide]

[tie_slide]
Sobre a morte de Fidel Castro, a revista Veja fez uma matéria de capa com o seguinte título “Já vai tarde”. Veja sempre se referiu ao Fidel Castro como ditador, assim como sempre demonizava tanto ele e o regime cubano. Até aí é compreensível, realmente o regime cubano não era nenhum exemplo de democracia, não fossem alguns detalhes que denunciam a hipocrisia gritante da revista: parte dos seus acionistas são sul-africanos que apoiaram o regime racista do Apartheid.

A revista também foi calorosa defensora de ditaduras travestidas de democracia, como foi a de Fujimori no Peru, e de ditaduras escancaradas, como a de Pinochet e a ditadura empresarial-militar que houve no próprio país. A revista defende até hoje, quando surge a oportunidade, o legado do ditador Pinochet e ainda lhe atribui avanços econômicos e sociais no Chile que não lhe pertence, que foram possíveis pela luta daquele que se opuseram ao seu regime (leia mais sobre isso aqui).

A hipocrisia da revista Veja       

[/tie_slide]

[tie_slide]
É simplesmente incrível! Com a morte de Fidel descobrimos que defensores de ditaduras como Bolsonaro prezam a democracia. Isso mesmo, as mesmas pessoas que pedem “intervenção militar” e choraram a morte do ditador Pinochet.

[box type=”success” align=”” class=”” width=””]“Fidel Castro morreu: o exterminador de liberdades e promotor da miséria se foi. O mundo democrático deseja-lhe estadia eterna nas profundezas do inferno”, disse o “democrata” Bolsonaro que ficou de luto com a morte do angelical Pinochet. [/box]

Sua morte também fez que aqueles que vivem postando memes homofóbicos do Ratinho no Facebook, inclusive fazendo apologia a agressão contra gays, como é o caso do meme em que o Ratinho aparece segurando uma lâmpada fluorescente (em alusão à agressão que sofreram gays na Avenida Paulista), repentinamente se tornem pessoas extremamente preocupadas com o destino dos gays cubanos.

Fidel também fez monarquistas condenarem sua dinastia. Talvez por Fidel não ter sangue azul, sendo um latino em vez de um europeu nórdico, descendente da família de Habsburgo, sequer tendo algum parentesco com a monarquia espanhola que colonizou o seu país, Fidel não foi soberano em Cuba o suficiente para angariar a simpatia desses que amam a monarquia e sonham em serem um dia súditos de uma realeza com sangue azul e de linhagem autenticamente europeia. E, se de origem anglo-saxônica-germânica, melhor ainda.

E o maior feito que Fidel conseguiu com sua morte: fazer o cidadão de bem defender os Direitos Humanos (ou “dos manos”, como eles costumam dizer). Sim, esses mesmos direitos que, segundo eles, defendem apenas baderneiros, bandidos e vagabundos.

É impressionante a transformação que Fidel Castro promove nas pessoas, e para melhor! Mesmo que seja por um momento, enquanto o duplipensar se fazer necessário para sustentar o seu discurso hipócrita.

[/tie_slide]

[tie_slide]

Unidades Militares de Ajuda à Produção, ou IMAP, era o gulag cubano. Criado de início com o objetivo de “disciplinar” dissidentes do regime e inimigos políticos, os IMAPs acabaram servindo como uma forma de isolar os gays da vida em sociedade, sob o pretexto que tinham um comportamento “contrarrevolucionário”. No período do “Quinquênio Cinza”, entre 71 e 76, intelectuais assumidamente gays foram marginalizados e colocados no ostracismo. O regime alegava que eles eram uma má influência para crianças e jovens, e baniu todos os que trabalhavam com educação e cultura. Gays, lésbicas e travestis também foram exonerados de cargos públicos.

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]Uma das vítimas da homofobia do regime cubano foi o escritor Reinaldo Arenas, o qual, apesar de ter apoiado a revolução cubana de início, acabou se decepcionando com a ascensão do autoritarismo. Arenas foi perseguido, censurado, preso e chegou até a ser torturado. Conseguiu fugir de Cuba após inúmeras tentativas, mas acabou cometendo suicídio em 1990, em Nova Iorque, EUA. Em 2000 foi lançado o filme de sua autobiografia, sendo interpretado pelo ator espanhol Javier Bordem. [/box]

Mais tarde, numa entrevista ao jornal mexicano La Jornada, Fidel admitiu que houve perseguição aos gays em Cuba entre os anos 60 e 70, reconheceu que foi um gravíssimo erro e assumiu sua responsabilidade por esse abuso. Talvez como uma forma de se redimir, o regime cubano desde os anos 80 permite que seu serviço de saúde faça operação de mudança de sexo para transgêneros. De acordo com Mariela Castro, existe um procedimento de “acordo com regras internacionais”

Mariela também é sobrinha de Fidel, filha de Raul Castro, e é militante dos direitos LGBT em Cuba. Ela faz questão de contextualizar historicamente a homofobia em Cuba, lembrando que o machismo tipicamente latino-americano, herança dos colonizadores europeus, moldou a sociedade cubana e acabou influenciando a revolução. Também é fato que entre as décadas de perseguição aos LGBTs em Cuba, em quase todo mundo a homossexualidade era considerada doença. Ainda hoje, entre os países e territórios da América Central e Caribe, cinco países punem com prisão a homossexualidade e a maioria deles não reconhecem a união civil gay, nem garantem proteção contra crimes de homofobia. No próprio Brasil, vemos que até hoje os direitos LGBT são implacavelmente combatidos por grupos conservadores que a cada dia ganham mais força. Enquanto isso em Cuba o movimento é inverso, existe um esforço para apagar seu passado homofóbico, agora o Estado cubano se compromete a fazer campanhas contra homofobia (que aqui são rotuladas de “kit gay”) e o reconhecimento da união civil gay está cada vez mais próximo de se tornar realidade.

[/tie_slide]

[tie_slide]
Foto: Coletivo Taller Libertário Alfredo López

No regime cubano a perseguição política e a censura não valia apenas para os inimigos de direita, mas também para aqueles de outras vertentes de esquerda e para religiosos. O escritor e cientista social cubano Carlos Moore, em seus relatos sobre a repressão que presenciou em Cuba, diz que existiam campos de trabalho forçado para religiosos, principalmente os que seguiam religiões de matriz africana. Também é comprovado a perseguição de testemunhas de Jeová, cuja religião foi banida de Cuba em 1974.

Os anarquistas participaram ativamente da Revolução Cubana, inclusive fizeram parte do M-27-6, a principal força revolucionária cubana que conseguiu derrubar o ditador Fulgêncio Batista. No entanto, apesar dos anarquistas terem ajudado e acreditado na revolução, sequer eles foram poupados. Em 1960, logo após ter tomado o poder, Castro expulsou os anarcossindicalistas da Confederación de Trabajadores de Cuba. O autoritarismo de Fidel e sua guinada ao marxismo-leninismo fez soar o alarme entre os anarquistas, que prontamente tentaram denunciar, assim como também se preparam para uma reação. Contudo, acabaram sendo impedidos pelo Partido Comunista Cubano, que passou a perseguir e prender anarquistas, entre eles Casto Moscú e Manuel González, mais tarde exilados para o México.

O anarquista alemão Augustin Souchy

No mesmo ano, o anarquista alemão Augustin Souchy foi convidado pelo regime cubano para conhecer as mudanças que a revolução havia trazido para o setor agrário de Cuba, e ele ficou decepcionado ao constatar que o sistema aplicado era muito similar ao modelo centralizador soviético. O que observou foi registrado no panfleto Testimonios sobre la Revolución Cubana, que foi apreendido e destruído pelo governo cubano apenas 3 dias após Souchy ter deixado Cuba.

Diante desse ambiente sufocante àqueles que possuíam causas libertárias, os anarquistas tiveram que agir clandestinamente, passando a uma condição marginalizada na sociedade cubana, o que se mantêm até hoje, mesmo com a saída de Fidel Castro do poder.

Evidentemente o regime não assumia seu autoritarismo e arbitrariedade, preferindo justificá-los usando como pretexto uma suposta ameaça daqueles que tinham um “comportamento contrarrevolucionário” para censurar, perseguir e prender suas vítimas.
[/tie_slide]

[tie_slide](Foto de Alina Fernandéz e Fidel Castro, 1980)

Juanita Castro, há 51 anos exilada nos EUA, nunca aprovou o posicionamento político dos seus irmãos, e fez oposição principalmente à Fidel Castro, chegando a aceitar a trabalhar como espiã da CIA, do país arqui-inimigo do regime cubano. Ela não fez questão de ir ao enterro do irmão, mas lamentou dizendo que não se regozija com a morte de nenhum ser humano, “muito menos de alguém com meu sangue e meu sobrenome”.

Alina Fernandéz é filha de Fidel com a sua amante Natalia Revuelta, que era da alta sociedade cubana, mas a favor da revolução. Alina deixou Cuba quando tinha 37 anos de idade, passando pela Espanha com documentos falsos e se estabelecendo em Miami, nos EUA. Por lá, escreveu o livro Castro’s Daughter: An Exile’s Memoir of Cuba (Filha de Castro: Uma Memória de um Exílio de Cuba), no qual conta sobre sua vida em Cuba, inclusive sobre a sua relação nada amigável com o pai. Por conta desse livro, ela foi processada pela sua tia Juanita Castro (outra crítica de Fidel, como já conferimos acima), perdeu na justiça e teve que desembolsar US $ 45 mil (a tia também saiu perdendo, já que havia gastado mais de US $ 100 mil com advogados).

Contudo, aquele que fez uma crítica digna de ser lida sobre Fidel acabou sendo nem sua irmã, nem sua filha “ilegítima”, mas o neto do seu amigo Che Guevara:

“Todas as minhas críticas a Fidel Castro e epígonos partem de seu distanciamento em relação aos ideais libertários, da traição cometida contra o povo de Cuba e da espantosa vigilância estabelecida para preservar o Estado por cima de sua ‘gente’. A revolução cubana não foi democrática porque engendrou em si as classes sociais destinadas a impedi-lo: a revolução pariu uma burguesia, aparelhos repressivos dispostos a defendê-la do povo e uma burocracia que a distanciava dele. Mas foi antidemocrática sobretudo pelo messianismo religioso de seu líder. Erigir-se como salvador da Pátria é uma coisa: sê-lo para sempre é outra. Com efeito, Fidel – com suas tropas e boa parte da sociedade civil – liberou Cuba da ditadura de gângsteres de Batista, mas com sua permanência obstinada só conseguiu se converter, ele mesmo, em ditador. Do jovem revolucionário ao velho tirano há um abismo insuperável; o mesmo que há entre o dissenso daquele rebelde e o mando deste sujeito enlouquecido pelo poder e pela glória. (…) Tudo isso acontece em Cuba, onde não rege o socialismo nem o comunismo, e sim um vulgar capitalismo de Estado chamado também fidelismo (…). Minha crítica ao regime de Havana não se deve ao fato de ser comunista, e sim ao fato de não o ser.”
[/tie_slide]

[tie_slide]

Enquanto os EUA, Inglaterra, França, Suíça entre outros países capitalistas do Ocidente apoiavam o regime racista de Apartheid na África do Sul, inclusive dando suporte militar, como foi o caso dos três primeiros países citados mais Israel; Cuba, nas palavras do próprio Nelson Mandela, “ajudou a treinar nossa gente, nos deu recursos, nos ajudou tanto em nossa luta, que treinou nossos combatentes, nossos médicos…”.

Por conta do importante apoio de Cuba na luta contra o regime de Apartheid, Mandela considerava Fidel Castro como um irmão e não escondia seu carinho pelo líder cubano mesmo diante de presidentes dos EUA, chegando a a fazer a seguinte declaração para Bill Clinton numa visita à Africa do Sul, em 1998: “sou um homem leal e jamais esquecerei que nos momentos mais sombrios de nossa pátria, na luta contra o apartheid, Fidel Castro esteve ao nosso lado”.
[/tie_slide]

[tie_slide]

Os refugiados da imagem acima tentando chegar no litoral de Port St. Lucie, na Flórida, só podem ser cubanos, né? Errado. São um grupo formado por pessoas do Haiti, Bahamas e Índia, segundo as próprias autoridades norte-americanas.

A relação entre o centro e a imensa periferia do sistema capitalista nos permite compreender melhor o fenômeno do intenso movimento migratório não só de cubanos, mas pessoas de todo o mundo para os EUA.  Observe os seguintes gráficos:

tabela imigracao EUA
Ou seja, na verdade existe um êxodo migratório em todo mundo, saindo da periferia para o centro do sistema, no caso os EUA, sendo com bastante folga o maior número de imigrantes nos EUA originários de um país também capitalista, o México. Pelo visto, o capitalismo “dá certo” apenas em seu pequeno núcleo, o qual é representado por apenas 20 países entre mais de 200 existentes.

Outro fator importante que explica especificamente o êxodo em Cuba, é que os imigrantes cubanos nos EUA usufruíam de um “privilégio” em relação aos demais imigrantes, possuindo uma lei de imigração própria para eles, o Cuban Adjustment Act. Também conhecida como loteria cubana, essa lei permitia que os cubanos residentes há mais de 1 ano em Cuba recebessem um greencard definitivo, e que inclusive poderia ser estendido a familiares. Isto é, dentre todos os latinos, os cubanos são os únicos que são bem-vindos aos EUA. Uma demonstração de benevolência dos EUA em relação aos cubanos exilados? Claro que não, na verdade trata-se de apenas uma política entre milhares do Estado norte-americano visando desestabilizar o regime cubano.

E se não existisse Fidel? E se Cuba não tivesse passado por uma revolução? Será que isso impediria um êxodo cubano? Basta dar uma olhada no fluxo migratório dos demais países capitalistas caribenhos para os EUA. A República Dominicana não teve nenhum Fidel e apresenta um número de imigrantes bem próximo ao de Cuba, mesmo seus cidadãos não tendo a mesma facilidade dos cubanos para conseguirem um greencard.
[/tie_slide]

[tie_slide]

Charuto com explosivo, charuto com veneno, atiradores de elite, caramujo-bomba, sorvetes envenenados, drinques envenenados, bombas sob o chão, 1500 exilados treinados e financiados pela CIA, assassinos do submundo do crime, produtos químicos, roupa de mergulho com bactérias, fuzil para matar um elefante, fuzis de longa distância, caneta que dispara um dardo e envenena, canetas explosivas, máscara tóxica, máscaras de mergulho contaminadas, emboscadas, sulfato de tálio nos sapatos, LSD em estação de rádio. Eis algumas das maneiras que os inimigos de Fidel, principalmente da CIA, tentaram matá-lo.

De acordo com o  documentário produzido em 2006 pela TV britânica Channel 4, 638 Ways to Kill Castro (638 formas de matar Castro),  as tentativas de assassinatos em cada governo norte-americano foram:

> 38 durante o governo Dwight D. Eisenhower (Republicano – 20/01/1953 a 20/01/1961)
> 42 durante o governo John F. Kennedy (Democrata – 20/01/1961 a 22/11/1963)
> 72 durante o governo Lyndon B. Johnson (Democrata – 22/11/1963 a 20/01/1969)
> 184 durante o governo Richard Nixon (Republicano – 20/01/1969 a 9/08/1974)
> 64 durante o governo Jimmy Carter (Democrata – 20/01/1977 a 20/01/1981)
> 197 durante o governo Ronald Reagan (Republicano – 20/01/1981 a 20/01/1989)
> 16 durante o governo George H. W. Bush (Republicano – 20/01/1989 a 20/01/1993)
> 21 durante o governo Bill Clinton (Democrata – 20/01/1993 a 20/01/2001)

O que aconteceria com o Fidel se a CIA fosse esperta como o Pernalonga.

Apesar das inúmeras tentativas de todos os presidentes norte-americanos eleitos entre as décadas de 50 e 90 para enterrar o Fidel, quem acabou assassinado foi o Kennedy e o Fidel que acabou enterrando a maior parte deles: excetuando-se Carter, Bush pai e Clinton, todos morreram antes de Fidel, o qual ainda viveu muito, alcançando 90 anos intensamente vividos.
[/tie_slide]
[/tie_slideshow]

[ads2]

Considerações finais

Fidel Castro não foi um herói latino que transformou Cuba num paraíso socialista, como afirmam seus admiradores. Também não foi um demônio que veio ao mundo para fuzilar pobres pessoas inocentes, como dizem seus detratores. De fato Cuba teve avanços com o regime castrista, apresentando os melhores indicadores sociais da América Latina de acordo com organizações internacionais como a ONU e a UNICEF.
O analfabetismo foi combatido, a mortalidade infantil foi reduzida a níveis de países desenvolvidos, toda a população cubana tem acesso a saneamento básico, o acesso à universidade foi democratizada, inclusive para grupos sociais historicamente marginalizados: é a coisa mais comum em Cuba ver negros com formação superior. Porém Cuba é um país onde existiu exceções, torturas, campos de trabalho forçado, perseguição política e religiosa, homofobia e transfobia institucionalizadas, o culto ao líder que transformou Fidel num deus que merecia ficar eternamente no poder, num regime que condenava a religião. Os erros também são vários, e em sua maioria bem graves, que ferem totalmente os princípios igualitários e humanistas da revolução.

Como se vê, a discussão sobre se Fidel era um herói ou um demônio é infrutífera. Seria mais sensato compreender que Fidel é uma cria do conturbado século XX, em que uma crise econômica colocou em risco o atual sistema hegemônico, que foi palco de duas guerras mundiais e que então se tornou um mundo extremamente bipolarizado, com os EUA representando o capitalismo, e a URSS o socialismo real.

Diante de tudo isso, como o próprio Fidel Castro disse em sua defesa quando estava na prisão na década de 50, talvez a História o absolverá. O século XX jogou os dados, e quanto mais casas avançamos, mais claro fica qual será a decisão da História sobre o julgamento do comandante.

[divider style="normal" top="10" bottom="10"]

Referências

• CBS News – Castro: I Am Not Rich
• El País – Exilada em Miami há 50 anos, irmã de Fidel não irá ao funeral em Cuba
• BuzzFeed – BuzzFeed News contacted Adidas to ask if they had any sort of sponsorship deal with Castro, one of the world’s most high profile anti-capitalists, and they responded.
• O Tempo – Fidel admite que gays foram perseguidos em Cuba durante seu governo
• Grupo Gay da Bahia – Gays exigem que Fidel Castro peça perdão pela perseguição aos homossexuais em Cuba
• Operamundi – Sobre homofobia, Fidel sempre assumiu responsabilidades, diz Mariela Castro
• Cornegie Council – Jehovah’s Witnesses in Cuba (PDF)
• Foreign Policy – Seven Questions: Castro’s Daughter Speaks Out
• Highs Nobiety – Why Does The World Love Rolex (and Why Do They Cost So Much)?
• Vice – Um papo com gays anarquistas de Cuba
• Anarchist Library – Authoritarian Demonization of Anarchists
• Pitzer – The Cuban Revolution, A Critical Perspective
• Editora Unesp – Morte de Fidel Castro suscita reflexão para além dos mitos da Revolução Cubana 
• Swissinfo – Apartheid teve apoio helvético
• El País – O grande amigo de Mandela nas Américas foi Fidel Castro
• Le Monde Brasil – O Evangelho segundo Mandela
• Office of the Law Revision Counsel of US – Cuban Adjustment Act as of 1966
• El País – 638 formas para matar a Fidel Castro
• BBC Brasil – De charuto envenenado a canetas tóxicas: os incríveis planos dos EUA para matar Fidel
• TBO – Busy waters of Florida: Illegal immigration surges from across Caribbean


Vídeos

•  A amizade de Fidel e Mandela
•  Cuba, Castro e a Revolução Cubana
• TV CORREIO NAGÔ – Carlos Moore fala sobre o regime cubano
Parte 1
Parte 2

Para saber mais:

33 Revoluções E Cinco Contos, de Canek Sánchez Guevara
De Martí a Fidel, de Luiz Alberto Muniz Bandeira
• A Brief History of Cuba, de Rose Ana Berbeo

[easy-social-share buttons=”print,love” counters=1 counter_pos=”right” total_counter_pos=”hidden” style=”icon_hover” template=”15″ point_type=”simple” print_text=”Imprimir” love_text=”Curtir”]

12 fatos sobre Fidel que mudarão a impressão que você tem dele

Avalie esta publicação

Digite sua avaliação de 0 a 100 ou clique/toque no círculo mantendo pressionado e solte na pontuação desejada.
Você poderá avaliar apenas uma vez.

User Rating 95.66 (35 votes)

Você também pode gostar Mais do autor

  • Lina Narimatsu

    ainda bem q admitiram o óbvio: o regime cubano foi uma DITADURA, e ainda é, pq como bem disseram: ‘a ~ilha~ não é nenhum exemplo de democracia’, deus me livre

    Não adianta condenarem os direitistas por defenderem a ditadura militar se fazem o mesmo em relação ao fidel, a dialética é igualzinha, cada um defende o seu regime favorito como pode; a esquerda não se distingue EM NADA da direita nisso, os dois lados se acusam de defender autoritarismo enquanto cultivam dentro de si a paixão por sua própria autocracia sempre ideologicamente justificável

    E por fim, é interessante notar q a medida q o tempo passa e q Cuba vai se “abrindo”, a tendência é q o regime castrista/socialista vai sendo deixando de lado, bem aos pouquinhos (e só pq a dinastia castro não larga o osso); em breve, Cuba será tão capitalista quanto o México, a Colômbia, etc.

    Entre todos os avanços da ~ilha~, a utopia socialista é a uma das únicas (coisas por lá) q vai por água abaixo

    • lelophopog

      Não estou ao certo que sua comparação entre ditadura de direita e esquerda faz sentido. Acho que tirar do contexto também é problemático. O que existia antes da revolução cubana? A ditadura de Fulgencio Batista. O que existia antes da ditadura militar brasileira? Um governo eleito pelo voto, que pretendia fazer reformas, inclusive agrária.
      Vou além: o que existia antes da revolução russa? Um governo de czares. O que existia antes da ditadura chilena? O governo democrático do Allende.
      Acho que seria interessante fazer um estudo comparando ditaduras de esquerda e de direita, vendo qual regime existia antes.

      Sobre Cuba se abrir e virar capitalista, com base no que tu diz? Os meios de produção continuam sendo estatais, não? Só porque vai fazer comércio com outros países não a torna automaticamente capitalista.

      • Lina Narimatsu

        É como eu disse, cada um defende a sua autocracia favorita como pode, vc justificou uma ditadura pq antes havia outra, um direitista provavelmente usará outro argumento “mais convincente”, e aliás, se por acaso ocorresse uma nova revolução em cuba, dessa vez capitalista e neoliberalizante, essa justificativa caberia perfeitamente, até pq… seria uma revolução capitalista sobrepujando uma ditadura socialista

        Eu não condeno a revolução cubana, eu acho q ela foi necessária e muito bem sucedida, livrou a ilha de ser quintal (no sentido mais estrito da palavra) dos eua, mas aí o q veio depois foi só desgraça. Só é um pouco melhor agora, justamente pq Cuba abandonou a obsessão socialista e o rancor pelos U$A/Capitalismo, caso contrário, se mantivessem a mesma política do início da revolução, a ilha hj seria só mais um Haiti ou Jamaica, até pq, não existe mais União Soviética pra se escorarem

        “com base no que tu diz?”
        Com base naquilo q se observa atualmente, assim q o povo cubano finalmente ter o poder de eleger um chefe de governo q não seja do partido único, isto é, assim q a dinastia castro largar o osso, é questão de tempo pra Cuba abandonar o socialismo, se é q aquilo lá anda é socialismo. Regimes como o castrista não resistem ao poder democrático

        • lelophopog

          Primeiro que não justifiquei nada, só falei fatos.

          “O que veio depois foi só desgraça” “Está um pouco melhor agora”. Você leu o texto? Você viu os indicadores sociais de Cuba? Que nem diz no texto, compare com os outros países da América Central. Critique Cuba pelo que ela deve ser criticada, não pegando os fatos das propagandas anti-Cuba.

          Outra coisa, não foi Cuba que “abandonou” o rancor pelos USA e pelo capitalismo. Esse corte das relações foi sempre unilateral, dos EUA pra Cuba. Cuba sempre se dispôs a dialogar com os EUA. Quem possui leis que impedem o comércio entre os dois países é os EUA. Agora os EUA está (ou estava) tentando retomar as negociações.
          Quem impedia que Cuba tivesse acesso a Internet via fibra ótica foi os EUA; sabe quem fez a primeira ligação de fibra ótica com Cuba? A Venezuela com Hugo Chavez.

          Sobre a última parte não tem o que comentar, é só achismo teu.

          Mas a pergunta que eu acho mais pertinente, é: O que caracteriza uma ditadura e uma democracia?
          Posso argumentar que o Brasil vive uma ditadura do Capital, onde quem manda são os grandes empresários e bancos, o capital financeiro; só olhar as doações pra (quase) todos os candidatos.
          Em Cuba existem eleições locais, onde a comunidade elege seu representante, e depois pra cima são votações indiretas. Ah, qualquer um pode se candidatar, inclusive na última eleição um defensor do neoliberalismo se candidatou (e perdeu).

          Se você está alegando que em Cuba tem campos de concentração, você concorda que os EUA também tem, com sua política de encarceração em massa, e vários presos trabalhando por uma mixaria pras grandes empresas?

          Porque então se diz que o Brasil e os EUA vive uma democracia e Cuba uma ditadura?
          Ou então você chamaria tudo de ditadura?

          • Lina Narimatsu

            “Você viu os indicadores sociais de Cuba?”
            Eu disse q ficou melhor, mas AGORA, tiveram uns 50 anos de ditadura, e só AGORA ficou razoável. Muitos outros países capitalistas e democráticos conseguiram o q Cuba tem há anos, e sem precisar apelar pra autoritarismo. “Coincidentemente” no mesmo período q Cuba abre as portas e libera algumas coisinhas, tipo… faz só 3 anos q os cidadãos cubanos tem permissão de deixar a ilha, SÓ HÁ 3 ANOS

            Concordo q o embargo econômico é uma praga e deve ser execrado, mas esse é e sempre foi um dos menores problemas de Cuba, nunca impediu a ilha de negociar com outros países, incluindo o Brasil

            “é só achismo teu”
            Sim, só “achismo” meu, veremos daqui a 4 anos (ou menos), lembra o q aconteceu com a União Soviética, com a China de Mao, com a Alemanha Oriental? Pois bem

            Relativizar um termo o máximo possível, como querem fazer com “democracia”, é o melhor jeito de tornar um argumento imune e infalseável, isto é, se eu conseguir convencer q os EUA e o Brasil não são democracias, ng mais vai poder reclamar da ditadura cubana. Com certeza o Brasil e os EUA não são exemplos de democracias a serem seguidas, mas garanto q no q se trata de liberdades individuais, direitos civis, liberdade de imprensa, estado de direito entre outros, o continente americano INTEIRO está a frente de Cuba, até a Venezuela.

            Até poucos anos cubano não podia deixar o país, eram perseguidos políticos, nem liberdade religiosa tinha e até hj o governo aparelha a imprensa e faz propaganda estatal-ideológica deslavada, o famigerado granma; a Veja, por exemplo, com toda a sua tendenciosidade, não chega aos pés do diário oficial cubano travestido de “jornalismo”, o grupo abril ao menos é privado

            E quando eu citei campos de concentração, me referi às umaps, eu sei q lá não tem mais isso (ou será q ainda tem?), mas como eu disse: seguisse cuba o modelo autocrático castrista do início da revolução, a ilha não seria nada além de um haiti com campos de trabalho forçado, não adiantaria nem fidel se escorar na URSS falida como fizera

          • lelophopog

            “Muitos outros países capitalistas e democráticos conseguiram o q Cuba tem há anos, e sem precisar apelar pra autoritarismo.”
            Poderia me dar um exemplo?

            O bloqueio não impede Cuba de negociar com outros países. Mas o que acontece é que os EUA tentam influenciar negativamente os acordos dos outros países com Cuba. Acho que isso não é um dos “menores problemas de Cuba”.
            Exemplo:
            1) Cuban Democracy Act

            “Any country trading with Cuba risks not being eligible for aid from the U.S.”
            – **** “Any vessel which has traded goods or services with Cuba cannot within 180 days dock at a U.S. port” ****
            2) Helms–Burton Act
            – “International Sanctions against the Cuban Government. Economic
            embargo, any non-U.S. company that deals economically with Cuba can be
            subjected to legal action and that company’s leadership can be barred
            from entry into the United States. Sanctions may be applied to non-U.S.
            companies trading with Cuba. This means that internationally operating
            companies have to choose between Cuba and the U.S., which is a much
            larger market.”


            Concordo em não relativizar o termo. Acho que sempre é válido, e necessário, pedir mais participação popular nas decisões de um país. Quando dei os exemplos dos EUA e do Brasil, não foi para não poder mais reclamar da falta de participação popular e perseguição política em Cuba, foi pra mostrar que muitas vezes é dois pesos e duas medidas. Só porque Cuba tem um regime diferente lá está tudo errado e aqui está tudo certo (pelo que você falou, não parece que você seja assim, então essa parte não é pra você).

            Sobre a sua afirmação que TODO o continente americano está a frente de Cuba, na questão de liberdades individuais/de imprensa, direitos,…, não sei se concordo. Haiti, Guatemala, Honduras, El Salvador (entre outros) possuem um oligopólio dos meios de comunicação pela iniciativa privada. Porque isso é melhor do que a imprensa estatal de Cuba?

            E outra, está comparando o direito de quem? Da classe média pra cima? No Brasil, se tu pegar pessoas pobres, por exemplo das favelas, tu vai dizer que elas tem mais liberdade e direitos do que as pessoas em Cuba? Você está só incluindo aí só o direito a liberdade de expressão, ou o direito a uma moradia digna, emprego (e não sub-emprego), saúde, educação?
            Liberdade de expressão importa, assim como os outros direitos.