E se tudo fosse privatizado? A população do Congo responde a essa questão em 15 imagens.

Em 1885 o Congo se tornou a propriedade privada e a empresa do rei Leopoldo II. O resultado desse empreendimento: por volta de 10 milhões de mortos e a quase extinção dos elefantes da região.

104.578

Imagine a seguinte situação: a pessoa mais rica do seu país, e uma das mais ricas do seu continente, surge querendo fazer o bem. E não se trata de um milionário comum, ele é simplesmente o rei do seu povo. Um rei bem diferente dos demais, que quer ajudar o próximo em vez de viver uma vida mesquinha usufruindo da riqueza e do status social que sua condição privilegiada permitiria – um rei filantropo, preocupado principalmente com a questão da escravidão, e que está determinado a erradicá-la alhures, onde é ainda praticada.

Ele também se compromete a prestar ajuda humanitária às pessoas que lá vivem, assim como levar até elas o melhor de sua civilização. Todos se impressionam, ele é ovacionado e ganha o apoio, inclusive financeiro, de todo o seu povo no seu intento. E merecidamente, afinal, nem nos contos de fadas reis são tão bonzinhos assim, está muito bom para ser verdade. E será que é mesmo?

O papo desse rei com o seu “Teleton” ou “Criança Esperança” real no fim do século XIX era melhor do que contos de fadas, mas acabou se tornando um dos períodos mais macabros da história da humanidade, além de ter iniciado o neocolonialismo no continente africano (cujas consequências originaram boa parte das dificuldades e desigualdades que existem no mundo subdesenvolvido).

rei-leopoldo
Caricatura do Rei dos Belgas.

Esta é a história de Leopoldo Luís Filipe Maria Nítor, ou Leopoldo II, o Rei dos Belgas e do povo do Congo, que receberia a graça de uma alma tão nobre, no coração da África. Numa época que nenhuma companhia ou Estado europeu estavam interessados em explorar a África, estando mais preocupados com suas colônias nas Américas, na Ásia e na Oceania, o rei Leopoldo II viu no Congo a chance para enriquecer ainda mais enganando o mundo inteiro.

Restava saber quem toparia ajudá-lo a concretizar a sua ambição. E foi assim que seus olhos brilharam ao ler a seguinte declaração de um jornalista sobre o Congo, e que se tornaria seu principal parceiro nessa empreitada:

“Há 40 000 000 de pessoas nuas do outro lado das cataratas (…) e os industriais têxteis de Manchester estão à espera de vesti-los… as fábricas de Birmingham estão a fulgurar com o metal vermelho que será transformado em objetos metálicos de todos os tipos e aspectos que os irão decorar… e os ministros de Cristo estão zelosos de trazer as suas pobres almas para a fé cristã.”

São as palavras do galês Henry Morton Stanley, que havia se tornado um herói nos EUA e na Europa por ter encontrado o, há muito tempo desaparecido no Congo, explorador David Livingstone. Nessa aventura o jornalista desbravou territórios na base do estupro, tortura e execuções em massa. Outro coração bom que se aliaria ao benévolo Rei dos Belgas seria o magnata Tippu Tip, um dos últimos comerciantes de escravos da era moderna. Como se vê, só gente boa.

StanleyAssim estavam estabelecidas as condições necessárias para a criação do Estado Livre do Congo, que na prática seria uma propriedade privada gigante do rei Leopoldo II, tão grande quanto os latifúndios que existem no nosso Brasil. Como também era um liberal, defensor apaixonado do livre mercado, prometeu que em seu mais novo reino também existiria uma zona de livre comércio, ganhando assim o apoio de empresários alemães, ingleses e franceses na sua campanha de ajuda humanitária.

Originalmente o empreendimento do rei belga foi apresentado como uma salvação aos “últimos escravos” (a escravidão já havia sido abolida em todo mundo na época), mas acabou escravizando toda a população do Congo. Seu empregado Stanley estava obstinado em encontrar a nascente do rio Congo, o último segredo geográfico da África, como diziam na época, e nessa jornada cometeu um verdadeiro genocídio contra as tribos locais.

In the rubber coilsQuem sobrevivia se tornava propriedade privada de Leopoldo II e era obrigado a trabalhar na extração de matérias-primas sob condições desumanas. Qualquer sinal de revolta era castigado com estupros, torturas, mutilações, crucificações, decapitações. Sequer crianças eram poupadas.

As milícias que aplicavam a barbárie também não estavam imunes a ela. Os soldados tinham que mostrar “serviço”, sob o risco de serem executados também. Para provarem que estavam realmente trabalhando, eles deveriam apresentar as mãos decapitadas de suas vítimas. Como muitos não atingiam a cota estipulada, isso acabou provocando o surgimento do macabro comércio de mãos.

Aos soldados brancos era reservado um tratamento melhor, mais ainda assim desumano: salários aviltantes, ausência de direitos, expostos totalmente às doenças e às intempéries e também corriam risco de vida se ousassem comentar com alguém de fora o que acontecia por ali. A propriedade privada do rei Leopoldo se tornou uma verdadeira indústria do inferno, tendo como auge de sua exploração o período de alta do preço da borracha no comércio mundial. O resultado desse empreendimento: o rei da Bélgica ficou ainda mais podre de rico às custas do desmatamento das florestas do Congo, da quase extinção dos elefantes e sobre os cadáveres de aproximadamente 10 milhões de seres humanos.

Também pode te interessar
1 de 36

Seguem alguns registros desse tempo cruel, uma verdadeira galeria de horrores esquecida pelo mundo ocidental, e que por tal motivo deve ser sempre lembrada.



Considerações finais

O Estado Livre do Congo era uma propriedade privada e funcionava como uma empresa. Possuía metas, gestão empresarial, cobrança de resultados, tudo na base da bala, com muito derramamento de sangue. Política? Apenas a política da empresa do rei Leopoldo II.

Funcionava como um estado de exceção: suspensão de direitos de um Estado normal, império real dos interesses privados e da propriedade privada associal, que, para se efetivarem, prescindem até mesmo da forma da lei social que garante a propriedade. Ao invés da lei formal da propriedade, há ali a propriedade privada pura e simples.

Os (neo)liberais protestam, não reconhecem o Estado Livre do Congo como consequência última da lógica da propriedade privada, porque eles ignoram a realidade efetiva, os reais desdobramentos da sua doutrina na prática, um comportamento muito parecido com o dos religiosos mais extremados. Mas para quem faz uma análise objetiva , que considera a categoria real, efetiva, fica claro que ali a propriedade existiu para garantir a extração do marfim, da borracha e dos metais, tudo em prol do lucro capitalista.

Assim, o capitalismo na sua forma irrestrita aconteceu no Congo, de maneira anômala e selvagem, prescindindo da liberdade plena dos indivíduos, mas não da liberdade irrestrita que o proprietário, Leopoldo II, tinha sobre seu domínio no mundo.

Os empreendimentos do Rei Construtor (que nunca pisou no Congo) também servem como um alerta às pessoas que embarcaram na onda de negação da política, que confiam naqueles que se dizem “apolíticos” como seus representantes, que acreditam em reis Leopoldos modernos administrando a coisa pública, chegando até a eleger no primeiro turno um “empresário” para a prefeitura de uma das cidades mais importantes do país e do mundo.

A experiência do Estado Independente do Congo nos mostra o que ocorre quando apenas a lógica do mercado baseado na propriedade privada dita como as coisas devem ser, principalmente nas populações mais vulneráveis: estabelece uma devastadora barbárie, em que o ser humano não passa de um lixo descartável.

Referências

• BBC – Henry Stanley (1841 – 1904)
             King Leopold’s legacy of DR Congo violence
• The Guardian – The Hidden Holocaust

Para saber mais

• O Fantasma do Rei Leopoldo, de Adam Hochschild
• A era dos impérios — 1875–1914, de Eric Hobsbawn
O sonho do celta, de Mario Vargas Llosa
• Coração das Trevas, de Joseph Conrad

Print Friendly
E se tudo fosse privatizado? A população do Congo responde a essa questão em 15 imagens.

Avalie esta publicação

Digite sua avaliação de 0 a 100 ou clique/toque no círculo mantendo pressionado e solte na pontuação desejada.
Você poderá avaliar apenas uma vez.

User Rating 96.24 (135 votes)

Confira Também: Mais do autor

Deixe o seu comentário