A Revolução Alemã: como ela nos ajuda a entender os conflitos da política progressista no Brasil

7.633

Para entendermos as constantes dissidências na esquerda:
o exemplo da Revolução Alemã.

Para entendermos as constantes dissidências na esquerda; o exemplo da Revolução Alemã.
Uma das principais características do espectro político de esquerda e que deixa seus militantes e até os que são apenas espectadores e simpatizantes são suas inúmeras frações. No Brasil, talvez a mais clássica, é o rompimento do Partido Comunista entre o PCdoB (Partido Comunista do Brasil) e o PCB (Partido Comunista Brasileiro), nos anos 50 e 60, reflexo do governo Khrushchov na União Soviética e a “desestanilização” do mundo socialista.

[ads2]

Há velhas dissidências, como os Anarquista e os Comunistas, racha causado pelos próprios Marx, Engels e Bakhunin em pessoa durante a realização da I Internacional. Em linhas gerais, ambas as correntes desejam uma sociedade livre sem estado, entretanto, os Anarquistas não aceitam o Socialismo e a ditadura do proletariado como etapas em direção ao Comunismo, por exemplo, como advogam os Marxistas.

Atualmente em nosso país, por exemplo, o PCO, PSTU e PSOL eram correntes internas do PT que deixaram o partido ao longo dos anos. Mesmo dentro desses partidos menores ocorrem outros rachas.
Mas por que isso acontece? Vamos tentar entender com o exemplo da Revolução Alemã de 1917-1918.

O pouco democrático Império Alemão

A Proclamação do Império Alemão (1885), de Anton von Werner

O então recém surgido Império Alemão foi resultado de várias guerras ocorridas ao longo do século XIX, quando as alianças organizadas entre lideranças prussianas e austríacas disputaram o controle sobre as dezenas de pequenos estados que existiam na região. Uma vez unificados esses reinos por meio do domínio prussiano, passou a existir a Alemanha tal como conhecemos hoje.

Entretanto, como é possível imaginar, a união de dezenas de paisinhos originou um sistema político extremamente complexo. Cada um dos daqueles pequenos reinos e principados possuía sua nobreza, seu aparelho burocrático, seu parlamento, seguindo suas próprias regras. O governo central do Império era organizado a partir do Parlamento Imperial, ou o Reichstag, que possuía formas relativamente democráticas de eleição, já que elas permitiam a chegada de grupos de centro e esquerda nas cadeiras do congresso.

Entretanto, o Imperador Alemão era um título utilizado pelo Rei da Prússia, e sua corte era a corte da Prússia, organizados em torno do parlamento regional prussiano, o Landtag. Por não ser da alçada federal de administração, aquele parlamento possuía suas próprias regras de funcionamento e de eleição. Ele possuía uma representação dividida em três terços; um terço dedicado aos latifundiários nobres (chamados de junkers), um terço ao alto oficialato militar, e o último terço destinado a todas as outras pessoas.

Na prática, o Landtag anulava em grande parte, o poder do Reichstag; assim o exercício da democracia política na Alemanha era bastante complexo. Esse cenário de democracia incompleta no país foi usado, inclusive, como argumento para a I Guerra Mundial, usando a velha justificativa da luta pela democracia, dos aliados contra os Império Centrais. O que não passava de um mito, tendo em vista que em boa parte dos países aliados a democracia política também não se mostrava perfeita – como no Reino Unido, onde apenas proprietários de imóveis ou titulares do aluguel poderiam votar – ou sequer eram democráticos, como a Rússia Czarista.

A Grande Guerra e a Política Alemã


Durante a I Guerra Mundial, a situação da fraca democracia alemã se agravou, e no decurso da Guerra o país, apesar de continuar uma monarquia, se transformou nos anos finais do conflito, numa ditadura militar governada pelo Comando de Guerra, através dos Generais Ludendorff e Hindemburg (este último, seria o futuro presidente da Alemanha que nomeou Hitler como chanceler em 1933).
O final da Grande Guerra fora melancólico para os alemães. O país pediu pelo armistício após o fracasso da última ofensiva, que chegou a poucos quilômetros de Paris, mas cuja única vitória seria capturar a capital francesa. Se vendo impossível de continuar a guerra, o Império se rende. A guerra também não poderia continuar pois a maioria da população se encontrava exaurida e desejava o final do conflito, inclusive nas fileiras militares.

A derrota impactou ainda mais a já confusa política alemã. Os ditadores se afastaram do poder para não levarem a culpa na derrota e a monarquia tentou se salvar. O Imperador Guilherme II nomeou o príncipe Van Baden para a chancelaria, este príncipe, de iniciativas mais liberais, iniciou as negociações de paz com os aliados no começo de outubro, e dentro da Alemanha tentou realizar uma reforma política no país, com a convocação de uma nova constituinte e reorganização da política de forma mais parecida com as democracias ocidentais.

A rebelião dos marinheiros de Kiel (03 de novembro de 1918).

Enquanto isso acontecia, alguns militares não desistiam da guerra e tentaram reorganizar mais uma ofensiva naval no final do mês. Como resposta, os marinheiros de Kiel no norte do país, realizaram uma quartelada em seus estaleiros e se recusaram a cumprir as ordens de voltar a guerrear. Esse movimento se espalhou em dias para todo os país; quarteis, palácios e fábricas foram ocupadas, os governos substituídos por conselhos formados espontaneamente por trabalhadores, moradores e soldados.

Começara a Revolução Alemã.

O fim do II Reich

Fuga de Guilherme II em 10 de novembro de 1918: O ex-Kaiser (centro ou quarto a partir da esquerda) na estação entre a fronteira belga-holandesa, pouco antes de sua partida para o exílio na Holanda.

Em 9 de novembro, com o país de cabeça para baixo, o imperador Guilherme II abdicou e fugiu do país. No mesmo dia, não apenas uma, mas duas Repúblicas foram declaradas em dois pontos de Berlim; a República Alemã e a República Socialista Alemã por dois políticos socialistas diferentes.
Para entendermos isso, vamos retornar alguns dias…

Quando a monarquia tentou se salvar e reorganizar a política alemã, o príncipe nomeado para chanceler chamou o Partido Social Democrata Alemão (SPD) para compor o governo. O SPD era o maior partido do país, maior partido da esquerda, concentrava lideranças militares, sindicais, trabalhistas e profissionais liberais.

Há muito ele lutava por mais espaço na política alemã e por uma maior democratização do regime – ele possuía grande força apenas no Reischtag (parlamento federal), mas uma representação muito pequena nos parlamentos regionais. Especialmente no Landtag prussiano, aquele que vimos um pouco acima, que funcionava como uma espécie de Câmara Alta do legislativo alemão e anulava nacionalmente a força política da esquerda.

Essa luta foi interrompida em prol da unidade nacional na I Guerra Mundial – o que na época já foi alvo de muita oposição dentro da esquerda, pois várias correntes desejavam se opor ao conflito. Durante o curso da guerra, o SPD continuou a apoiar os esforços de guerra, mesmo as custas da população e da economia do país, o que causou uma cisão dentro do partido. Membros do SPD que desejavam o fim da Grande Guerra, ainda que com derrota alemã, saíram do partido e fundaram o Partido Social-Democrata Independente (USPD), que se fortaleceu ao longo dos anos. Também, no mesmo período a Liga Spartacus, uma antiga corrente dentro do SPD, também deixou o partido, alguns migrando para o USDP e outros ficando sem partido.

Quando, ao final da Grande Guerra, o SPD chega ao governo, era o resultado de uma luta de décadas pelo poder na Alemanha – e resultado da sua campanha pró-nacionalista de apoio à guerra mundial. Pela primeira vez um partido de esquerda, e oriundo das classes trabalhadoras, estava no poder no país. A oportunidade de implantar reformas e construir um novo país mais democrático em todos os aspectos se tornou palpável.

A Radicalização da Revolução Alemã: o levante comunista

Revolucionários da liga Spartacus em Berlim.

Após a abdicação de Guilherme II, Philipp Scheidemann – do SPD – proclamou a República Alemã e Karl Liebknecht – da liga spartaquista, dissidência do SPD – proclamou a República Socialista Alemã. Como o SPD já estava no poder, a república que permanece é a sua. O USPD reconhece a oportunidade da realização de reformas e aceita compor o governo com o partido do qual se originou, tendo como chefes de governo Friedrich Elbert (SPD) no cargo de chanceler e Hugo Haase (USDP) a frente do Conselho dos Delegados do Povo (órgão revolucionário).

Mas esse clima de otimismo durou pouco, semanas, no natal, depois ocorreu outra revolta militar. A Volksmarinedivision, um grupo criado pelos marinheiros de Kiel que se opuseram à tentativa de reiniciar a guerra em outubro, se considerava a principal tropa revolucionária e tinha grande apelo popular. Ela se recusava a ser desativada, o que o governo do SPD desejava fazer com o objetivo de pacificar Berlim.

Também pode te interessar
1 de 36

Isto pois, durante todo esse período, a capital e toda a Alemanha em menor escala se encontrava mobilizada: eram militares rebelados por todo o país, forças paramilitares espontâneas criadas pelos cidadãos patrulhando as ruas, conselhos governando as cidades e organizando os serviços públicos, trabalhadores controlando as fábricas. Para colocar seu governo em prática, o SPD precisaria pacificar a população, organizá-la e desarmá-la. Para os Social Democratas, a Revolução já tinha acabado, para os outros ela continuava.

O governo decidiu cortar o pagamento da Volksmarinedivision para forçar seu fim. Ela, por sua vez, decidiu ocupar um palácio ao lado do Reischtag como protesto. O governo enviou tropas regulares para enfrentar os revolucionários na véspera de natal, e após os combates os marinheiros se rederam após sofrerem dezenas de baixas.

Comemoração da fundação do KPD em janeiro de 1919, logo antes do Levante Spartaquista.

O episódio causou intensa comoção popular, civis se colocaram entre os exércitos pedindo o fim dos conflitos, e política, afinal era o governo se voltando contra os primeiros revolucionários do movimento. Nos dias seguintes, USPD deixou o governo e os spartaquistas (alguns dentro do USPD) se juntaram com outras correntes para fundar o Partido Comunista Alemão (KPD) na véspera do ano novo.

A virada do ano foi de revolta e combates por todo o país, especialmente em Berlim, o KPD e alas do USPD se rebelaram contra o governo, agora apenas do SPD. Sozinho, o SPD recorreu ao apoio da direita para se manter no poder. Inclusive, recorreu aos famigerados Corpos Francos (Freikorps), uma milícia paramilitar de extrema direita, formada por ex-combatentes da Grande Guerra e mercenários – da qual emergiriam futuras lideranças nazistas.

Em alguns dias, o Levante Spartaquista foi brutalmente derrotado, centenas de militantes comunistas e socialistas morreram nos combates e outros executados sumariamente, inclusive as lideranças, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht – cujos corpos foram desovados, o de Rosa num córrego, e o de Karl como indigente em uma delegacia.

Ao longo de 1919 outros levantes comunistas e socialistas ocorreram pelo país, e algumas Repúblicas Conselhistas – isto é, governada por conselhos independentes formados pelos trabalhadores, soldados e cidadãos – se organizaram em outras cidades e províncias (a mais longa na Bavaria). Para serem também reprimidas duramente pelo governo federal do SPD, apoiado pelas milícias de extrema direita – no caso da República Conselhista Bávara, ainda pela Sociedade Thule, berço do nazismo.

Nas eleições para Assembléia Constituinte realizadas em janeiro de 1919, logo em seguida à repressão do levante, o SPD foi a maior bancada com mais de 1/3 dos deputados, e sua coalização com partidos de centro (naquele momento ao centro, posteriormente guinaram à direita ao longo dos anos, inclusive apoiando o Nazismo) chegou a 76% das cadeiras. O USPD, único outro partido de esquerda com representação, teve muito menos, com apenas 7%.

Friedrich Elbert eleito presidente; a constituição foi aprovada e era bastante democrática em todos os aspectos, se comparada com a realidade do Império Alemão, inclusive permitindo a reorganização do Partido Comunista Alemão em 1920, que cresceu muito nos anos seguintes ficando com mais de 300 mil afiliados; se tornando o maior partido comunista da Europa.

A República sofreu duas tentativas de golpe pela direita, em 1920 e 1923, mas apesar de não sofrer mais de nenhuma conspiração, a instabilidade continuou pela década afora: em 12 anos foram convocadas 7 eleições legislativas. No ano 1925, o presidente Elbert morre de causas naturais e novas eleições são convocadas; deixando outra fragilidade da Constituição à tona. De acordo com a legislação, o presidente nomeava o primeiro-ministro (chanceler), independente da composição do parlamento, e poderia ainda assumir poderes emergenciais.

Com Elbert esses instrumentos foram utilizados normalmente para tentar manter a estabilidade do regime, com a nomeação na maioria de políticos do centro. Mas o novo presidente fora justamente um dos antigos ditadores da Alemanha durante a I Guerra Mundial, o General Hindeburg, que manteve mais ou menos a mesma política de Elbert na nomeação dos ministros, até a fatídica nomeação de Hitler como chanceler em 1933.

Entre os Social-Democratas e os Comunistas


Olhando os acontecimentos, fica muito fácil colocar em uma posição de vilania o Partido Social Democrata. A repressão liderada por ele a todas as outras correntes da esquerda, mais ou menos radicais, que não aceitavam pacificarem-se certamente tem seu espaço guardado dentre os episódios mais lamentáveis da história.

Entretanto, precisamos entender esses rachas. Por um lado, a Liga Spartacus (posteriormente o Partido Comunista) estava bastante entusiasmada com o clima revolucionário da Alemanha, que naqueles meses estava se auto-governando através de conselhos de trabalhadores, soldados e cidadãos – tal como na Revolução Russa e seus Sovietes (conselhos em russo). A população estava armada, greves por todo o país, era a oportunidade de tomar o poder.

Mas no seio do Partido Comunista havia dúvidas quanto a esse curso; Karl Liebknecht tinha maior simpatia pelo modelo soviético (desde o começo da Revolução, ele proclamava a República Socialista Alemã) e foi o grande idealizador do levante. Já Rosa Luxemburgo desejava um modelo diferenciado do russo para a Revolução e não desejava iniciar a rebelião naquele momento – apesar de mesmo assim se tornar uma liderança depois de seu início.

O grande problema era que, como na Rússia, a principal bandeira revolucionária seria dar todo poder aos conselhos (aos sovietes), mas que, no caso da Alemanha, esses conselhos não desejavam assumir. Em dezembro, antes da radicalização da Revolução, houve o Congresso Nacional dos Conselhos, compostos por delegados de todo o país, sendo a maioria filiada ao próprio SPD – e apenas 10 spartaquistas do total de 500 delegados. Eles votaram a proposta de aceitarem a realização da Assembléia Constituinte tal como proposta pelo governo (ainda na monarquia), e se conformaram com a posição interina que tinham.

Posteriormente, durante a Assembléia Constituinte, a pequena bancada do USPD propôs uma estrutura política na carta que preservasse a existência dessas entidades e a integrasse na burocracia estatal, mas que não fora aprovada para o projeto final.

Por outro lado, para o Partido Social Democrata, a característica “pelega” deles havia, naquele momento, aparentemente dado certo. Sua postura de apoio ao país durante a I Guerra Mundial, que causou o seu primeiro grande racha, rendeu o chamado para liderar o governo ao final do conflito. Na cabeça dos dirigentes, era o justo e fiel resultado dos anos de luta por dentro do sistema.

Naquele momento, aliás, após a I Guerra, pela primeira vez as esquerdas chegavam ao poder ou ganhavam notoriedade ao redor do mundo; seja pela via revolucionária – na Rússia, a principal experiência – ou eleitoral – tal como no Reino Unido. Às vezes, nem mesmo esquerdas no sentido marxista, mas sim, governos nacionalistas, seja em oposição ao imperialismo – como na Irlanda, por exemplo – ou em oposição às oligarquias – o início do tenentismo e do modernismo, aqui no Brasil.
Essa situação colocou no centro da discussão entre as esquerdas o problema que talvez seja ainda o qual mais as divide: a eminência do colapso do sistema e do modo de produção capitalista. No caso alemão, o SPD acreditava que o Capitalismo ainda estava longe de ser superado, portanto, a postura correta naquele momento seria integrar-se a ele e melhorar a vida dos trabalhadores através dos mecanismos proporcionados pelo estado burguês, como a legislação trabalhista.

Já o KPD (os spartaquistas), influenciados também pela Revolução Russa, acreditavam que o capitalismo sim estava na beira do abismo, e aquele era o momento de tomar o poder e iniciar o Socialismo. Para eles, integrar-se ao sistema e fazer o possível pelo trabalhador dentro do capitalismo, era simplesmente capitulação; isto é, impedir o real progresso da classe trabalhadora ao poder – que dependia da superação do capitalismo.

Ao final, a divisão entre o SPD e suas dissidências (especialmente o USPD e o KPD) o colocou em posição de precisar recorrer ao apoio do centro e da direita em seu governo para que ele pudesse implementar as reformas para as quais fora eleito pela classe trabalhadora. Ao mesmo tempo, o SPD estava na posição de estar no governo, mas não no poder. Apesar de terem as maiores bancadas por toda a década, os Social Democratas sempre precisavam se conciliar com o centro e com a direita – após a Constituinte, entre 1920 e 1933, apenas um único chanceler foi do SPD, colocando em xeque a capacidade não do partido em implementar seu programa, mas da própria República.

Eventualmente o centro se colocou também a direita e a balança do poder ficou complemente desequilibrada; o SPD e o KPD (que crescera e absorvera o USPD) acuados, mesmo com as maiores bancadas em 1930, foram devorados pelo Nazismo nos anos seguintes. E não apenas Alemanha, mas todo o mundo, sofreria as consequências.

Considerações Finais


Ainda que estejamos há um século de distância daqueles acontecimentos, esse problema ainda faz as esquerdas arrancarem seus cabelos – ainda mais após o final da Guerra Fria. A relação, entre as diferentes correntes da esquerda; as suas concepções da proximidade (e hoje, ainda questionar a possibilidade) do fim do capitalismo; suas noções do que é uma revolução; em suma, seus entendimentos de como é possível, no mundo atual, melhorar a condição de vida dos trabalhadores continuam a pautar as principais divergências.
Para a Social Democracia, as demais correntes atrapalham o desenvolvimento lento e natural em direção ao socialismo, ou na consolidação de determinadas melhorias imediatas aos trabalhadores, ao provocar crises mesmo quando ela está no governo. Para os Comunistas, Socialistas e Anarquistas, por sua vez, a Social Democracia impede que a verdadeira revolução ocorra, e justamente prolonga a vida do capitalismo, ao amansar o ímpeto as classes trabalhadoras com medidas apenas superficiais.

Nas palavras do historiador italiano, Enzo Traverso, ao olhar paras fotografia da Revolução Alemã, ele nota que não há sorrisos nem alegria da transgressão, da felicidade ruptura do regime; a essa revolução “nasceu de uma derrota militar [na Primeira Guerra]; a república que ela traz ao mundo nasceu de outra derrota, a da própria Revolução”.

Essa breve retrospectiva desses trágicos momentos da História da Alemanha no início do séc. XX, nos dá instrumentos para que possamos traçar nossos próprios paralelos e questionamentos desse período em relação aos tempos atuais.

Referências:

CANFORA, Luciano – 1914. Tradução: Aurora Bernardini. São Paulo, Edusp: 2014.
LOUREIRO, Isabel – A Revolução Alemã (1918-1923). São Paulo, UNESP: 2005.
TRAVERSO, Enzo – A Revolução Alemã (1918-1919). IN: LÖWY, Michael (org.) – Revoluções. Tradução: Yuri Martins Fontes. São Paulo, Boitempo: 2009.

Print Friendly
A Revolução Alemã: como ela nos ajuda a entender os conflitos da política progressista no Brasil

Avalie esta publicação

Digite sua avaliação de 0 a 100 ou clique/toque no círculo mantendo pressionado e solte na pontuação desejada.
Você poderá avaliar apenas uma vez.

User Rating 97.58 (26 votes)

Confira Também: Mais do autor

Deixe o seu comentário