A esquerda não precisa defender eternamente Stalin: resposta ao PCO

A esquerda que possui uma visão acrítica do stalinismo demonstra grande dificuldade em aceitar os erros do passado e assim acaba se assemelhando ao que há de pior na direita.

26.742

You say you want a revolution
Well, you know
We all want to change the world
You tell me that it’s evolution

Well, you know
We all want to change the world
But when you talk about destruction
Don’t you know that you can count me out?(…)
You say you’ll change the constitution

Well, you know
We all want to change your head
You tell me it’s the institution

Well, you know
You’d better free your mind instead
But if you go carrying pictures of Chairman Mao
You ain’t gonna make it with anyone anyhow (John Lennon, Revolution)

Introdução:

Boa parte da esquerda, inclusive o PCO, pede uma autocrítica do PT. Dizem que o presidencialismo de coalizão falhou e que é preciso repensar as estratégias políticas do partido. Contudo, parte dessa esquerda também demonstra grande dificuldade em aceitar os erros do passado. Tentam, por exemplo, relativizar os milhões de mortos do período Stalinista e, assim, assemelham-se ao que há de pior na extrema-direita.

A polêmica começou depois que o historiador Leandro Karnal publicou um texto no Estadão sobre o centenário da Revolução Russa. Karnal mostrava as ambiguidades da modernização comunista, que transformou um país atrasado na segundo maior potência mundial. Porém, ceifou milhões de vidas de maneira brutal.

O artigo do Estadão tem os seus problemas e poderia ter sido alvo de questionamentos. 1) qual o motivo de se escrever sobre Stalin no centenário da Revolução de 1917? Por que não falar de Lênin, da formação do Partido Bolchevique, dos meses que acederam à tomada do poder ou da Guerra Civil? 2) Por que usar um conceito tão gasto e criticado quanto o de totalitarismo? 3) Chamar a Grande Fome de genocídio é um erro conceitual. As mortes por inanição foram provocadas para romper a resistência da oposição, não havia por parte do governo soviético um plano para eliminar os ucranianos.

Caso alguém quisesse criticar o texto, esses três questionamentos seriam aceitáveis. Porém, a resposta do PCO foi decepcionante. Eles partiram para o ataque pessoal ao historiador (o chamando de covarde) e, pior, tentaram relativizar as mortes na Ucrânia. Ao fazerem isso lançaram mão de argumentos muito próximos daqueles usados, por exemplo, para negar o Holocausto ou para relativizar os crimes da Ditadura Militar Brasileira.

O que foi o Stalinismo?

Na década de 1920 houve um recuo tático na Revolução. A economia Russa já havia sido estatizada em meados de 1918. Com o fim da Guerra Civil, contudo, a queda na produção havia sido drástica. Segundo o historiador Eric Hobsbawm, em função das sucessivas guerras, a economia soviética produzia apenas 10% dos bens fabricados em 1913. A situação era insustentável. A NEP foi a solução encontrada para recuperar o vigor do pré-guerra. Essa “nova política econômica” reintroduzia o mercado na economia, mas de forma limitada e controlada. O objetivo era dar “um passo atrás, para dar dois adiante”, nas palavras de Lênin. Ou seja, ela foi projetada para ser uma solução temporária.

É nesse período que surgem duas posições antagônicas a respeito dos caminhos da Revolução. Trotsky, por exemplo, não concordava com a NEP e queria espalhar a revolução pelo mundo. Ele acreditava que, caso a URSS se mantivesse isolada, o comunismo não sobreviveria. Quando ficou claro que o país seria o único socialista durante um bom tempo, outro debate se formou. A URSS era um pária na comunidade internacional. Aliado de Trotsky, o economista Ievguêni Preobrajenski formulou um plano de industrialização. Esse grupo, considerado a “esquerda” do Partido, dizia que a Revolução estava ameaçada e, portanto, seria preciso romper com a economia de mercado e modernizar o país. De fato, a NEP havia obtido êxito em recuperar a produção do pré-guerra, mas ele seria incapaz de industrializar um país agrário. As contradições eram difíceis de serem superadas. Os bolcheviques caminhavam no escuro.

O Stalinismo começou a ser construído em 1924 após a morte de Lênin. Durante o curso dos acontecimentos, Stalin, Zinoviev e Kameniev formaram uma aliança informal no Politburo. A partir desse momento, Stalin começou a manobrar para afastar os adversários e concentrar o poder. A união com os outros dois parceiros tinha o objetivo de isolar Trotsky, que, naquele momento, era o principal nome para suceder Lênin. Várias estratégias foram usadas, inclusive a de mentir sobre o dia do enterro de Lênin para que Trotsky não pudesse discursar. O georgiano também aproveitou-se de sua posição dentro da burocracia para nomear aliados em posições chaves. Quando Zinoviev e Kameniev começaram a ameaçar o seu poder, Stalin se aproximou de Bukharin e a nova dupla passou a controlar os rumos da política. Eles, contudo, discordavam profundamente dos rumos que a Revolução deveria tomar. Bukharin queria estimular a produção de grãos aumentando o valor pago aos camponeses. Stalin, por sua vez, ridicularizava o parceiro afirmando que tal medida apenas aumentaria a preço dos alimentos nas cidades e formaria uma classe capitalista que tornaria a Revolução inviável.

Enfim, mais importante do que decorar esse monte de nomes, é perceber que Stalin manobrava orientado por interesses próprios, aproximava-se e afastava-se das lideranças do Partido de acordo com objetivos pessoais. O Terror foi um desdobramento desse projeto. Stalin estava longe de ser a única liderança forte. Havia outras propostas. Um inimigo, portanto, seria importante para que ele pudesse dar coesão aos aliados, concentrar poder em suas mãos e perseguir opositores. Mas quem seriam esses inimigos? A Guerra Civil já havia sido vencida, os elementos contrários à Revolução não estavam mais no país. Segundo o historiador Robert Gellately, no recém publicado livro “A Maldição de Stalin”, percebendo que não poderia mudar a opinião dos “companheiros”, Stalin passou a eliminá-los. Assim como na França, a Revolução devoraria seus próprios filhos.

Segundo o mesmo historiador, o Terror teve três vertentes:

1) contra as lideranças Bolcheviques (os citados Zinoviev, Kameniev, Trotsky, Bukharin e muitos outros, acabaram assassinados);
2) contra a oposição social, sobretudo os chamados kulaks;
3) contra grupos étnicos que poderia ser uma ameaça interna à União Soviética.

Neste texto iremos nos concentrar na coletivização e na “eliminação dos kulaks como classe”, nas palavras do próprio Stalin.

A questão camponesa era crucial. A URSS era um país rural e isolado do restante do mundo, a única forma de financiar a industrialização seria por meio dos excedentes agrícolas. Eram eles que, se exportados, trariam as moedas estrangeiras necessárias para a compra de equipamentos para a indústria. Por tal motivo, o debate entre Bukharin e Stalin foi decisivo para os destinos do comunismo.

O ano de 1927 talvez seja o mais importante para a história de URSS depois de 1917. Pois é nele que se inicia a chamada Segunda Revolução ou Revolução Pelo Alto. Politicamente, Stalin vence a disputa e no simbólico mês de outubro afasta de uma só vez Trotsky, Zinoviev e Kameniev. Era o momento de consolidar o seu poder. Mas para isso era preciso um inimigo para justificar o endurecimento do Regime. “A liderança stalinista, depois de afastar todos os vestígios de oposição nos escalões mais altos do partido, lançou um ataque frontal ao modo de vida dos camponeses”. (Kenez)

Para sorte do governo, a colheita de grãos não foi como o esperado. Stalin então acusou os kulaks de estarem estocando alimentos. Os kulaks eram camponeses mais abastados, que haviam ganhado dinheiro durante a vigência da NEP, porém, não podem ser considerados como grandes proprietários de terras. Definitivamente não eram homens ricos. Por este motivo, a definição de kulak não era muito clara, na prática, qualquer poderia ser enquadrado como tal. Stalin os culpou pela crise alimentar, por supostamente estarem especulando com o preço dos alimentos. Aqui cabe uma explicação, pois essa foi é o principal argumento usado para justificar os 9,5 milhões de mortos do processo de coletivização:

“O que ocorreu, na verdade, foi o confisco de grãos promovido pela política de coletivização forçada de Stálin, política essa destinada a combater a especulação de preços dos cereais promovida pelos cúlaques, ou camponeses ricos, que não distribuíam os cereais à espera de que o preço subisse. Foram eles, e não a política de Stálin que provocaram a fome, não apenas nas terras férteis da Ucrânia, mas em toda a União Soviética.” (PCO)

Como podemos observar, eles tentam culpar os kulaks pela tragédia. Segundo a lógica do autor, os camponeses morreram de fome porque quiseram. Mesmo que eles tenham, de fato, estocado alimentos por não concordar com o preço pago pelo governo, seria curioso perceber que o Partido da Causa Operária defende o extermínio de pessoas que promovam uma greve. Outra coisa, a resposta de Stalin não foi apenas o confisco dos grãos, mas uma guerra contra os kulaks que deveriam, como já foi citado, ser “eliminados como classe”. Muitos defendem que a situação era complexa e que havia uma guerra em curso, portanto, as mortes seriam aceitáveis. Aqui também há, para dizer o mínimo, várias imprecisões. Guerra é feita entre exércitos, quando o assunto é um Exército contra famílias camponesas o nome correto é massacre. Curiosamente, tal desculpa é a mesma dada pelo militares brasileiros para justificar as mortes durante a Ditadura Militar.

Mas o que o líder soviético queria dizer com a ambígua frase “acabar com os kulaks como classe’? Segundo o historiador Angelo Segrillo, um dos poucos brasileiros que pesquisou nos arquivos da antiga URSS, a frase poderia até ter tido um sentido econômico no início, mas ela logo “adquiriu contornos literais”. Os kulaks seriam eliminados em todos os sentidos. Timothy Snyder explica como os camponeses eram definidos como kulaks:

“Em janeiro 1930, o politburo autorizou a polícia de Estado a fazer uma triagem da população camponesa de toda a União Soviética. A ordem correspondente da OGPU, de 2 de fevereiro, especificava as medidas necessárias para a “liquidação dos kulaks como classe. Em cada localidade um grupo de três pessoas, ou troika, decidia o destino dos camponeses (…). Os membros locais do partido faziam frequentemente uma recomendação: nas plenárias da aldeia soviética, disse um líder do partido local, criamos kulaks sempre que julgamos conveniente. Embora a URSS tivesse leis e tribunais, estes foram ignorados em prol da simples decisão de três indivíduos. Cerca de 30 mil cidadãos soviéticos seriam executados depois de condenados pela troika.” (Timothy Snayder).

No texto “Novos estudos sobre o Holocausto nos ajudam a entender melhor o extremismo”, publicado pela Voyager, é mostrado como é produzida a dinâmica dos massacres em massa. Os líderes não participam diretamente da matança. Não há, por exemplo, nenhum documento que prove que Hitler ordenou a Solução Final. Também não há um documento que ligue os ditadores militares às torturas do Brasil. Ninguém quer sujar as mãos. O que esses governos fazem é estimular o ódio contra um grupo para depois colocar essas pessoas frente a frente com “funcionários” formados nesse caldeirão de intolerância. Foi o que ocorreu na URSS. Ao afirmarem que Stalin não é o culpado pelas mortes por supostamente não saber dos crimes, a extrema esquerda se une à extrema direita que nega a participação de Hitler no Holocausto.

Confira também
1 de 18

O psicólogo social Philip Zimbardo, ao estudar as atrocidades cometidas na prisão americana de Abu Ghraib, destacou o fato de que os soldados envolvidos no caso não apresentaram nenhum histórico anterior de violência. Os vizinhos os consideravam pessoas normais, não havia passagem pela polícia, ficha criminal ou histórico psiquiátrico. Trabalhavam e respeitavam as leis. Zimbardo então propôs com conceito que ele chamou de “efeito lúcifer”. Para o psicólogo o caminho para entender esse processo é olhar para os fatores externos ao indivíduo, que os levam a cometer tais crimes. “O poder está no sistema, o sistema cria a situação que corrompe os indivíduos, e o sistema é a envolvente legal , política, econômica e cultural”. Ele características desse “efeito lúcifer”:

1) Dar o primeiro passo de forma inconsciente;
2) Desumanização dos outro;
3) Desindividualização de si próprio;
4) Difusão da responsabilidade individual;
5) Obediência cega à autoridade;
6) Conformidade acrítica às normas do grupo;
7) Tolerância passiva ao mal, através da inação ou da indiferença.

O professor de Oxford, David Preistland, no livro A Bandeira Vermelha reproduz um depoimento de um jovem ativista da juventude comunista:

“Eu era (…) um jovem entusiasmado, vibrando com os altos ideias e planos daquele período (…) Nós fomos tomados por um fervor de trabalho que às vezes beirava o delírio (…) Industrialização a qualquer custo, para tirar a nação do atraso, isso para nós parecia ser o objetivo mais nobre que se podia conceber. É por isso que devo resistir à tentação de julgar os acontecimentos daqueles anos à luz dos meus sentimentos atuais (…) a implicância dos liberais “fora de moda”, que só criticavam enquanto eles mesmos ficavam de fora do esforço, me parecia meramente irritante.”

O depoimento é revelador. Com efeito, todas as categorias propostas por Zimbardo estavam presentes no período da coletivização. Stalin dizia que, conforme a Revolução fosse se aprofundando, as contradições e os conflitos entre as classes iriam se acirrando e novos inimigos se revelariam. Poderíamos dizer novos inimigos seriam inventados. Seguindo essa lógica, qualquer um que se opusesse ao ditador poderia ser visto como inimigo da Revolução. Aqueles que agiam contra os kulaks, os oponentes da Revolução, agiam contra sabotadores em prol de algo maior. Não havia nem sombra da responsabilização individual pelos atos cometidos.

Coletivização forçada na Ucrânia em 1930.

Mas os kulaks estavam realmente estocando alimentos? Essa questão é problemática. Havia uma contradição difícil de ser resolvida no processo de modernização da Rússia. Como dito, mais de 80% da população ainda vivia no campo. Não havia, portanto, motivos para esses camponeses aumentarem a produção de forma indefinida simplesmente porque não havia o que ser comprado. Como afirma o Hosbabawm: “pouco havia que os camponeses pudessem comprar nas cidades para tentá-los a vender seus excedentes, em vez de comê-los e bebê-los nas aldeias”. Outro problema é que, ao produzir excedentes, esses camponeses poderiam ser percebidos como kulaks e passar a sofrer sanções. Esses foram, certamente, os motivos da queda da produção. A resposta, a coletivização, foi uma tragédia em todos os sentidos.

Em primeiro lugar porque as perdas humanas foram assustadoras. Segundo instrução emitida de Moscou, vou repetir, instrução emitida de Moscou, os kulaks foram divididos em três classes: no primeiro grupo estavam os mais “perigosos”, contrarrevolucionários ativos, que deveriam ser entregues imediatamente à OGPU (polícia de segurança); o segundo deveria ser enviado para regiões remotas da URSS (sobretudo à Sibéria) e o terceiro grupo seria reinstalado nas zonas rurais. Sobre esse processo Brendan Simms escreveu: “os agricultores coletivos estavam na prática presos à terra; muito foram fuzilados por não cooperarem. Começou aquilo a que os camponeses chamaram se segunda servidão (…) Nessa medida, foi 1927/28 e não 17 que marcou o início das transformações sociais da Rússia sob o primado da política externa.” Nialll Ferguson também entende que a fome fora provocada por motivos políticos na Ucrânia:

“Talvez o caso mais notável de todos seja o dos ucranianos. Na verdade, não é demais dizer que a escassez de alimentos ocasionados pelo ser humano e que teve suas origens na coletivização na Ucrânia tenha sido a resposta brutal de Stalin para o que ele via como a ‘Questão Ucraniana’. De fato, a forme não foi apenas na Ucrânia mas a região foi a mais atingida. Gellately estudando os números de óbitos nas aldeias, no período entre 1930 e 1933, percebeu que houve um aumento de 83% de mortes na União Soviética como um todo. Na Ucrânia o salto foi de 189%. Outra área duramente afetada foi o Cazaquistão com 1 milhão de mortes por inanição.”

Segundo o historiador Mark Mazawer, essa operação envolveu um milhão de famílias, podendo chegar a 10 milhões de pessoas, com pelo menos 30 mil fuzilamentos sumários. Os números apresentados por Mazawer são próximos dos do general Russo Dmitri Volkogonov, que fala em 9,5 milhões de mortes por fuzilamento, por inanição e em campos de trabalho forçados. O historiador Timothy Snyder, num dos trabalhos mais bem documentados sobre o tema, concorda que o número de mortos beirou os 10 milhões. Archie Browm também se manteve na margem de erro contanto entre 10 e 11 milhões de vidas ceifadas. Para Robert Gellately morreram entre 4 e 8 milhões de pessoas vitimadas somente pela fome.

Após a coletivização a URSS foi assolada por sucessivas crises de abastecimento e as mortes por inanição dispararam. O Politburo definia as metas de produção a serem alcançadas e mandava funcionários para garantir o cumprimento do que havia sido estabelecido. O problema é que as metas eram irreais e impossíveis de serem alcançadas. A situação ficava ainda mais crítica quando havia algum imprevisto ambiental e a colheita era menor. O governo soviético não permitia nenhuma flexibilização nas cotas e a quantidade de alimentos requisitados mantinha-se constante. Em épocas de baixa colheita, então, era levado praticamente toda a produção das fazendas e os agricultores morriam de fome. O historiador Robert Gellately destaca o fato de Stalin tratar com mais dureza as regiões em que a oposição era mais forte, por isso, o caráter político das crises de fome. “Enquanto Moscou alimentava (essa palavra não é um sarcasmo) desentendimentos especiais com a Ucrânia, onde os nacionalistas ameaçavam, em momento algum Stalin expediu ordens para que as pessoas morressem da inanição. Mas foi também suficientemente cruel para não ceder às solicitações de quem quer que fosse pelo rebaixamento das cotas. Quando autoridades do Cazaquistão imploraram por uma redução da requisição de grãos por causa do grande sofrimento causado por dois anos de safra ruins, Stalin respondeu que tinha melhores informações e ordenou cumprimento incondicional”.

O historiador marxista Eric Hobsbawm não contabilizou a tragédia, mas fez um interessante perfil de Stalin: “Stalin, que presidiu a resultante era de ferro da URSS, era um autocrata de ferocidade, crueldade e falta de escrúpulos excepcionais, alguns poderiam dizer únicos. Poucos homens manipularam o terror em escala mais universal. Não há dúvidas de que sob um outro líder do Partido Bolchevique os sofrimentos dos povos da URSS seriam minimizados, e o número de vítimas menor.”

O historiador Robert Gellately é ainda mais duro: “o envolvimento de Stalin em execuções de inimigos políticos patrocinado pelo Estado pode ser rastreado até à guerra civil, mediante o Grande Terror dos anos 1930, passando pela Segunda Guerra Mundial, até a Guerra Fria. Seguidor escrupuloso dos ensinamentos de Lênin, ele encarava a violência como ferramenta que o revolucionário habilidoso deveria utilizar com eficiência contra inimigos poderosos, ou seja, os capitalistas e seus apoiadores. Aparentemente, matava sem remorsos sempre que isso o ajudasse a conseguir o que queria, embora tivesse empregado com mais frequência a velha arma tsarista de deportar inimigos ou até mesmo grupos étnicos inteiros considerados inimigos.” O historiador ainda arrisca um pitaco psicológico: “É plenamente possível que Stalin tenha sido ou se tornou um psicopata”.

Ian Karshaw não chega a tanto, mas sua descrição parece corroborar com a opinião de Gellately: “Stalin era uma pessoa extremamente vingativa, fria e cruel. (chegou a expurgar seu papagaio, esmagando-lhe a cabeça com um cachimbo, enervado com o fato dele não parar de imitar seus pigarros)”.

O segundo motivo foi econômico. A coletivização fez despencar os níveis da produção de grãos no campo e dizimar metade do gado. A URSS só conseguiu reconquistar os níveis da NEP em 1940, ou seja, 13 anos depois do início da política. E foi essa queda na produção que provocou a grande fome de 1932, não a especulação.

Atualmente é quase um consenso na historiografia que a Grande Fome foi produzida pela coletivização e não pelo clima. “Com isso foi produzido uma grande fome em 1932/33” (Hobsbawm). “O auge do terrorismo de Estado foi alcançado em 1932/33 quando Stalin decidiu usar a carestia e a fome, provocadas pela coletivização, para quebrar a resistência camponesa” (Silvio Pons). “A consequência, no verão de 1932, foi uma fome que atingiu um vasto cinturão que ia da fronteira polonesa até a Sibéria. As autoridades reagiram com lentidão e mantiveram seus estoques de cereais na quantidade fixada em anos melhores. Somente mais para o fim do ano elas começam a afrouxar, mas já era tarde demais e a fome já havia se espalhado, levando consigo cerca de 5 a 7 milhões de camponeses”. (Paul Bushkovitch). “A fome em massa de 1933 foi consequência do Plano Quinquenal de Stalin” (Snyder). “A colheita de grãos diminuíram nos anos 1930, um reflexo claro do impacto desastroso da coletivização e da coerção no campo” (Mazower). “Uma combinação de todos esses fatores (coletivização e estiagem) provocou a fome, principalmente nas áreas rurais, durante 1932/33, especialmente na Ucrânia.” (Norman Lowe). Marvin Perry: “o número de cavalos, essenciais para o transporte rural e o trabalho na lavoura, diminuiu um terço. As lavouras não eram plantadas e nem colhidas, o Plano Quinquenal se desfez, e de 1931 a 1933 milhões morreram de fome”. “A campanha contra os kulaks, assim iniciada, viria a ser uma das perseguições mais cruéis do século XX” (Martim Gilbert). “No final de 1929, 21,6% dos lares camponeses passaram a fazer parte das propriedades coletivas. Stalin então anuncia que a coletivização será geral, e que todo aquele que se opuser deve ser considerado como um camponês próspero (kulak) ou aliado desse grupo, que é preciso liquidar enquanto classe.” (Serge Berstein & Pierre Milza). A produção agrícola, após ter passado por diversas fases, foi, por fim, completa e bruscamente coletivizada. “Esse processo se chocou com a tenaz resistência dos camponeses que foram expropriados e exterminados em massa” (Gianfranco Pasquino).

Os testemunhos também são chocantes. O historiador Roger Osborne cita um relato de um observador: “Aqui eu vi pessoas morrendo sozinhas, lentamente, um quadro medonho que nem se pode justificar como de sacrifício por um causa. Eles haviam sido aprisionados e deixados a morrer de fome, em suas próprias casas, por decisões políticas tomadas na capital distante em mesas de conferências e banquetes”.

“Voltarei a vê-la’, disse um jovem soviético referindo-se à esposa. Tinha razão; ele foi morto depois dela, e foram enterrados juntos com as 700 mil vítimas do Grande Terror de 1937/38” (Snyder).“Eles pediram a aliança de casamento, que eu … O oficial polonês interrompeu seu diário um pouco antes de ser executado” (Snyder). “Uma menina russa de 11 anos, em Leningrado, concluiu seu modesto diário: ‘só sobrou a tia” (Snyder). “Outra menina judia de 12 anos, na Bielorússia, escreveu sua última carta ao pai: ‘despeço-me de você antes de morrer. Esta morte me assusta tanto, porque eles atiram criancinhas ainda vivas dentro de valas comuns.” (Snyder)

Peço desculpas ao leitor pelo número de citações repetitivas, mas elas eram necessárias, pois uma das estratégias usadas para desqualificar os estudos a respeito é atacando os especialistas. Os chamam de ocidentais, por isso coloquei também autores Russos. Os chamam de agentes do imperialismo, por isso não coloquei apenas americanos. Os chamam de liberais, por isso também busquei autores marxistas. Dizem também que faltam fontes, por isso busquei um livro com mais de 200 páginas só de referencias (Terras de Sangue, Snyder). “Fulano de tal não é historiador”, por isso coloquei vários historiadores. “É historiador, mas não é especialista no tema”. Também coloquei vários especialistas. “São todos comunistas”, opa, desculpa, esse é o argumento da extrema direita.

E poderia ter colocado dezenas de outros autores, de todas as nacionalidades, etnias e crenças. Os milhões de mortos são um fato mais que comprovado, negados apenas por aqueles ignoram os estudos realizados nos últimos 50 anos e continuam repetindo o discurso da propaganda soviética.

Considerações finais: por que a esquerda não precisa defender eternamente Stalin.

“Os regimes nazista e soviético transformaram pessoas em números, alguns dos quais só podemos estimar, alguns dos quais podemos reconstruir com razoável precisão. Cabe a nós, estudiosos, buscar esses números e colocá-los em perspectiva. Cabe a nós, humanistas, reconverter esses números em pessoas. Se não o fizermos, então Hitler e Stalin terão reformulado não apenas nosso mundo, mas nossa humanidade”. (Timothy Snyder)

Durante muito tempo, parte da esquerda se recusou a discutir seriamente o período stalinista para não fortalecer a propaganda do anticomunismo que, de fato, existia e tendia a exagerar o ocorrido. Comparavam os bolcheviques aos nazistas, chamando-os de totalitários. Não satisfeito com 10 milhões de mortos, contavam 20 milhões etc. Porém, é, ou deveria ser, indiscutível que as mortes existiram. Negá-las não é apenas uma aberração ética como também uma atitude politicamente burra. Se a esquerda quer ser levada a sério não pode ter dois pesos e duas medias. Os resultados da modernização soviética carregam a mesma ambivalência da Revolução Industrial: grande crescimento econômico, com enormes custos humanos. Não dá para parte da esquerda olhar a história com tapa olhos, apontar as precárias condições dos operários na Europa do século XIX, mas quando o assunto for século XX, perceber apenas os ganhos econômicos. Isso tira a credibilidade de tais análises.

Mas o ponto principal não é esse. A propaganda anticomunista fundiu o Terror stalinista ao pensamento e a política comunista. Como se ambos fossem irmãos siameses. Quer ser comunista? Então vai levar o pacote completo com Stalin e seus “20 milhões de mortos” juntos. Se pararmos para analisar a história, é fácil perceber que isso é uma simplificação grosseira. O Terror não era um destino inexorável em 1917. Ele foi sendo forjado no decorrer dos anos, em função das disputadas políticas e das vicissitudes da história. Ou seja, seu motivo principal foi o projeto stalinista de concentração do poder. Suas causas são políticas, não econômicas. Não custa lembrar que a grande vítima foram os próprios comunistas.

Ouçam o que tem a dizer o cientista político Gianfranco Pasquino: “Embora os estudiosos do Stalinismo se achem profundamente divididos quanto ao juízo histórico que é preciso fazer deste ‘regime’, a maioria concorda em considerá-lo uma fase possível, mas não inevitável, do desenvolvimento de um país comunista”.

Portanto, meus caros, vocês não precisam defender Stalin eternamente. A melhor forma de combater a propaganda anti-comunista é mostrar como a tragédia do stalinismo foi possível, não escondê-la. É se aprofundando no tema, não mentindo. Ao defender de modo acrítico Stalin, contudo, parte da esquerda, como no caso do PCO, cai na armadilha da direita. Por que um partido comunista defenderia de modo tão veemente o líder soviético? A impressão que se passa é que eles não estão defendendo Stalin, mas o marxismo. Estariam desesperados para salvar o comunismo e, para isso, seria necessário negar a qualquer custo as mortes. A esquerda que age assim aparenta aceitar que o Terror é um substrato do comunismo.

Já passou da hora que se fazer um balanço sério da experiência comunista. Analisando os ganhos e entendo os erros. Essa é a atitude que se espera de uma corrente política que quer, e precisa, renovar-se. Marxistas, por favor, não transformem a tragédia em farsa, para que ela não se repita como tragédia.

Para saber mais:

• Dicionários de Política – Norberto Bobbio, Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino
• Terras de Sangue – Timothy Snyder
• História Concisa da Russa – Paul Bushkovitch
• História do Marxismo vol 07 – Eric Hobsbawm (org)
• Era dos Extremos – Eric Hobsbawm
• Tempos Interessantes – Eric Hobsbawm
• De Volta ao Inferno – Ian Kershaw
• História da União Soviética – Peter Kenez
• A Maldição de Stalin – Robert Gellately
• Reflexões Sobre o Século Esquecido – Tony Judt
• Mark Mazower – O Continente das Trevas
• Cortina de Ferro – Anne Applebaum
• A Revolução Global – Silvio Pons
• História do Século XX – Martim Gilbert
• Enciclopédia das Guerras e Revoluções – Francisco Carlos Texeira da Silva, Sabrina Medeiros e Alexandre Martins Vianna
• História do Século XX – Pierre Milza e Serege Berstein
• História do Século XX – Daniel Aarão, Jorge Ferreira e Celeste Zenha
• História do Mundo Contemporâneo – Norman Lowe
• História do Comunismo Mundial – Robert Service
• Civilização: uma nova história do mundo ocidental – Roger Osborne
• História da Civilização Ocidental – Marvin Perry
• Ascensão e Queda do Comunismo – Archie Browm
• Os Sete Chefes Soviéticos – Dimitri Volkognov
• Formação do Mundo Contemporâneo – Maurício Parada
• Uma Revolução Perdida: a história do socialismo soviético – Daniel Aarão Reis
• Introdução à História do Nosso Tempo – René Reymond
• Europa: a luta pela supremacia – Brendam Simms
• Niall Ferguson – A Guerra do Mundo: a era do ódio na história
• Dentro dos Arquivos de Stalin – Jonathan Brent
• A Ascensão e Queda dos Impérios Globais – John Darwin
• A Bandeira Vermelha: história do comunismo – David Priestland
• Efeito Lúcifer – Felipe Zimbardo
• Os Russos – Angelo Segrilo

Stalin: Paradoxos do Poder – Stephen Kotkin

Molhe Lewin – O Século Soviético

Os Paradoxos da Revolução Russa – Paulo Fagundes Visentini

 

 

Deixe o seu comentário